Você já ouviu falar em diversidade funcional?

#Renata Saavedra

Você já ouviu falar em diversidade funcional?

Dentre as muitas diferenças que são motivo de desigualdades na nossa sociedade, a que conhecemos como “deficiência” é ainda muito pouco discutida, conhecida e priorizada, mesmo pelas pessoas e organizações comprometidas com a construção de um mundo melhor. Como levar essa pauta para mais perto de todas e todos, e ajudar as pessoas a perceberem que todos nós temos a ver com isso?

Acredito que a ideia de diversidade funcional, que vem abrindo a minha mente, traz valiosas pistas nesse sentido. Conheci esse conceito em um curso que fiz com a incrível María Elvira Díaz-Benítez na UFRJ em 2015 sobre “Interseccionalidade e Marcadores Sociais da Diferença”, em que li Melania Moscoso e Robert McRuer.

Diversidade funcional é uma expressão alternativa a “deficiência”, que busca romper com a ideia negativa e pejorativa geralmente associada a pessoas e corpos que estão fora de um suposto padrão de “normalidade”. O conceito foi proposto por Agustina Palacios e Javier Romañach em janeiro de 2005 no Fórum de Vida Independente, na Espanha.

As terminologias geralmente aplicadas às deficiências foram desenvolvidas inicialmente por atores do campo da medicina, seguridade social e reabilitação, não por pessoas com diversidade funcional. Como explica o Dr. Ray Pereira, essas terminologias responsabilizam diretamente a pessoa por sua condição física ou orgânica, ao mesmo tempo em que parecem isentar a sociedade e o ambiente físico de qualquer responsabilidade ou participação.

“Por ironia, as chamadas pessoas com deficiência tornam-se limitadas exatamente naqueles pontos em que a sociedade e/ou o ambiente são excludentes em relação à diversidade funcional. Conscientes de que a linguagem produz, modifica e orienta o pensamento, algumas organizações de pessoas com diferença funcional têm investido em novos termos, com o intuito de implantar outra concepção acerca da condição a que costumeiramente nos referimos como deficiência. A proposta dos espanhóis é substituir termos pejorativos como deficiência, incapacidade, invalidez etc. pela expressão diversidade funcional. Surge, então, a designação ‘mulheres e homens com diversidade funcional’, em substituição a ‘pessoa com deficiência’ e seus correlatos. A deficiência torna-se, assim, uma diferença funcional”. A explicação do Dr. Ray Pereira está nesse artigo.

Pessoas com diversidade funcional são pessoas que funcionam de maneira diferente, mas a quem não falta algo. Enfatizemos a diferença, não a “carência”. Virar essa chave é fundamental para que pessoas com diversas configurações de corpos e cognições não sejam impedidas de exercer sua própria individualidade e capacidade de agência e de decisão. Para que sejam vistas e tratadas como sujeitas de direitos, e não como objetos de intervenção, nas palavras da uruguaia Mariana Mancebo.

E também para questionarmos a produção e os limites do que entendemos como normal ou capaz: a “deficiência” também é relacional, todos podem precisar de assistência em algum momento. Como escreve Debora Diniz, “deve-se entender deficiência como um conceito amplo e relacional. É deficiência toda e qualquer forma de desvantagem resultante da relação do corpo com lesões e a sociedade”.

Trata-se de enxergar a questão para além de um modelo biomédico, focado na reabilitação e na “correção de um problema”, para um modelo social, focado na opressão social vivida por essas pessoas. O problema não está no indivíduo, mas nos padrões de vida, mobilidade e fruição dos sentidos que a sociedade nos impõe. A diversidade funcional fala menos sobre lesões orgânicas ou corporais e mais sobre aspectos sociais, arquitetônicos, comunicacionais que formatam e limitam nosso mundo, produzindo o que Robert McRuer chama de “integridade corporal obrigatória”.

“O movimento pela diversidade funcional mostra que a deficiência não é uma condição natural, mas o efeito de um processo social e político de incapacitação. O mundo sonoro não é melhor que a surdez. A vida bípede, vertical e móvel não é uma vida melhor sem a arquitetura que a possibilita”, escreve Preciado.

Para transformar nossa visão e avançar com os direitos das pessoas com diversidade funcional, precisamos trazer essas questões para o cotidiano de todos. Na minha jornada, eu tenho aprendido, por exemplo, com:

• Anahí Guedes de Mello, pesquisadora brasileira que é referência no tema e lidera a Rede Brasileira do Movimento de Vida Independente. Recomendo muito essa sua entrevista e o recente artigo em que Anahí mostra como iniciativas como o Teleton acabam reforçando o capacitismo, que é a discriminação de pessoas com diversidade funcional.

• Grupos como as Inclusivass e o Coletivo Feminista Helen Keller, que mostram como os movimentos de mulheres ainda precisam encarar essa pauta e visibilizar mulheres com diversidade funcional.

• Diversas mulheres brasileiras que estão falando sobre suas visões no Instagram, como Leandrinha Du Art, midiativista, escritora e fotógrafa; Lele Martins, criadora de conteúdo sobre autocuidado, moda, lifestyle e ser uma mulher negra com deficiência; Stephanie Marques e a youtuber anticapacitista Mariana Torquato.

• Judy Heumann, ativista estadunidense e liderança da luta pelos direitos das pessoas com deficiência, com ampla atuação com organizações e governos para o avanço de políticas públicas. Com ela aprendi o “Nada sobre nós sem nós”, lema do movimento de pessoas com diversidade funcional. Assista seu TEDx e também o fantástico filme Crip Camp: a Disability Revolution (2020). Disponível no Netflix, o documentário produzido por Barack e Michelle Obama conta a história do Camp Jened, acampamento de verão que reunia pessoas com diversidade funcional, de que Heumann foi frequentadora ativa.

• O encontro do coletivo de artistas Post-Op e a Associació per la Vida Indepent de Barcelona, retratado no filme Yes, We Fuck! (2015), que aborda a sexualidade de pessoas com diversidade funcional. Eles fazem parte do movimento handi-queer (pessoas com diversidade funcional/queer), que atua contra a ideia preconceituosa e equivocada de que corpos com diversidade funcional são assexuais ou não desejáveis.

• Alice Wong, criadora do Disability Visibility Project, uma comunidade online dedicada a criar, compartilhar e ampliar as representações midiáticas e culturais sobre deficiências. Seu livro está na minha lista de leituras de 2021.

+ por falar em livros, Jourdan Saunders compartilhou ontem esta lista de livros escritos por autores com diversidade funcional

+ conheci Alice Wong nessa inspiradora lista de Disability Future Fellows, de artistas e criadores com diversidade funcional apoiados pela Fundação Ford

+ no setor filantrópico, o Disability Philanthropy Forum é uma plataforma focada na troca de conhecimentos para a inclusão de pessoas com diversidade funcional

Para além das pessoas públicas, existem muitas pessoas com diversidade funcional ao nosso redor — mais de 1 bilhão de pessoas, 15% da população mundial, segundo a OMS. No Brasil, esse número chega a quase 25% — cerca de 46 milhões de pessoas, segundo o Censo de 2010.

Onde estão essas pessoas no nosso cotidiano? Onde elas poderiam estar?

Vamos ouvi-las e aprender com elas. Desconstruir binarismos permite enxergar melhor o infinito leque de possibilidades da existência humana. E liberta todas e todos nós.

Renata Saavedra é jornalista e pesquisadora com foco em justiça social e movimentos feministas. Doutora em Comunicação e Cultura (UFRJ), Mestre em História (UNIRIO), pós-graduada em Sociologia Urbana (UERJ) e em Gênero e Sexualidade (UERJ). Colabora com organizações do terceiro setor que trabalham pela equidade e pelo fortalecimento da sociedade civil e da democracia.

https://renatacompartilha.medium.com/

 

#PraTodosVerem: Foto da Renata Saavedra em close. Ela está sorrindo, é uma mulher branca de cabelos curtos acima das orelhas, usa camiseta branca de mangas curtas. Está em ambiente externo tendo ao fundo muitas plantas.

Compartilhe

Newsletter

Leia Também

Skip to content