O Impacto da Acessibilidade Digital na vida das pessoas e das empresas

Vivemos um momento que traz uma série de novas reflexões para todos nós como cidadãos e como empreendedores, gestores, empresários e profissionais em geral. Com a quarentena, a web tornou-se, mais do que nunca, o principal canal de interação das pessoas com o mundo, viabilizando o trabalho, o estudo, as compras, serviços de bancos e até as mais simples interações sociais.

É simples assim: tudo, por enquanto e na medida do possível, é online.

O que poucas pessoas se dão conta é que os canais digitais já são o principal meio de interação com o mundo para milhões de pessoas. Para ser mais exata, mais de 45 milhões de pessoas ou 24% da população, as quais, conforme dados do Censo de 2010, possuem algum tipo de deficiência ou limitação funcional e têm muitos aspectos de suas vidas facilitados ou viabilizados através da comunicação digital.

E o seu site, sua plataforma digital, seu conteúdo, estão preparados para receber todas as pessoas, independente de suas limitações ou deficiências?

Segundo os números divulgados pela pesquisa TIC Web, a porcentagem de sites sem barreiras de acessibilidade não chega a 5%.

Imagine uma escada, por exemplo. Ela pode estar disponível a todos, mas nem todos conseguem usá-la. Portanto, uma escada não é plenamente acessível. O conceito é o mesmo no mundo digital. Uma imagem ou um podcast estão disponíveis em uma plataforma, mas nem todos têm acesso às informações que eles transmitem se a acessibilidade não for levada em conta.

As pessoas com deficiência enfrentam dificuldades que nem imaginamos, como finalizar uma compra ou contratar um serviço online, estudar à distância, ou simplesmente trabalhar.

Se ter um canal de comunicação livre de barreiras e conteúdo acessível sempre foi de fundamental importância, nos dias de hoje se tornou uma questão de sobrevivência.

Apesar de termos a Lei Brasileira de Inclusão que garante a acessibilidade de ambientes web para todos os cidadãos, isso está longe de ser uma realidade no Brasil.

A acessibilidade na web depende tanto das tecnologias utilizadas, se elas seguem ou não Diretrizes de Acessibilidade reconhecidas, quanto das pessoas envolvidas, sejam elas os profissionais responsáveis por criar os ambientes web ou os que produzem os conteúdos disponibilizados pelas empresas, as quais devem assegurar a qualidade da acessibilidade nesses ambientes.

Por exemplo, se você disponibiliza um vídeo com audiodescrição para que pessoas cegas tenham acesso mais completo a esse conteúdo, mas elas não conseguem chegar até esse conteúdo porque a navegação através do teclado bloqueia o software leitor de tela, elas não terão acesso ao seu vídeo.

Uma web mais humana e inclusiva, livre de barreiras e dificuldades ajuda a reduzir o isolamento social, que já é uma realidade freqüente para muitas pessoas com deficiência, mas a acessibilidade não beneficia somente pessoas com deficiência, ela melhora a performance dos canais digitais tornando a web muito mais segura, fácil e atraente para todas as pessoas.

Além disso, uma web acessível beneficia também as empresas, que terão uma ampliação de seu público potencial, um melhor posicionamento no Google e um ganho institucional, com mais valor social agregado à marca.

Cláudia Martin Nascimento: Web designer e Co-Fundadora do Acesso para Todos (www.acessoparatodos.com.br) e Moduli (moduli.acessoparatodos.com.br), é vencedora do Prêmio Nacional de Acessibilidade na Web Todos@Web e integra o Grupo de Especialistas em Acessibilidade Web do W3C Brasil.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Newsletter

Leia Também

Skip to content