Vieses inconscientes e a Neurociência

#Adriano Bandini, Daniele Pio e Gabriela Oliveira

Vieses inconscientes. Este foi o tema das Conversas Inspiradoras do Programa Diversidade da SAE Brasil e SAE Mulheres, do mês de maio, que trouxe o debate sobre seus impactos nas organizações.

A conversa foi mediada por Adriano Bandini, especialista em diversidade no Itaú-Unibanco, com a participação de Daniela Pio, gerente de diversidade, equidade, inclusão e atração de talentos na John Deere; Mara Ligia Kiefer, líder de projetos e inclusão na Social In e na Somar Diversidade e Vanessa Almada, business partner de RH na Bosch.

Para assistir, acesse: https://www.youtube.com/watch?v=ixwbAFrZi6M

Vieses inconscientes e a Neurociência

Viés inconsciente é muito mais que um conceito, é neurociência, é comportamento, é cultura, é sociedade. E entender todas essas perspectivas é fundamental para iniciar um processo de transformação dos vieses, que por anos, décadas e até mesmo séculos, foram enraizados nas mais diferentes culturas e sociedades ao redor do mundo.

A neurociência tem como um dos seus principais objetivos desvendar a estrutura, o funcionamento e o desenvolvimento do sistema nervoso, tarefa altamente complexa, pois considera compreender as conexões entre corpo e mente, que são impulsionadoras de atividades voluntárias e involuntárias por parte do ser humano.

E é neste ponto que a neurociência elucida o poder dos vieses inconscientes nas escolhas que realizamos. Afinal, dentre milhões de informações por segundo que o cérebro humano processa, um sofisticado mecanismo para automatizar as tomadas de decisão se desenvolve.

Esse mecanismo, desenvolvido ao longo de nossa evolução biológica, recebeu de nossa cultura muitos conceitos altamente preconceituosos que foram disseminados em nossa sociedade a partir da perspectiva de povos dominadores.

Com o passar dos anos, essa perspectiva discriminatória e eugenista foi replicada de forma consciente e inconsciente, por já estarem presentes nos modelos mentais das diferentes gerações que foram se seguindo. Hoje, temos um grande desafio de identificar estes preconceitos que, por serem vivenciados e propagados por tanto tempo de forma inconsciente, se tornaram verdades, impactaram nossa realidade e por isso, precisam de muito empenho para serem percebidos e desconstruídos.

Com essa nova percepção e conhecimento, temos a oportunidade de trazer muitos destes vieses para a luz da consciência e remodelar nossos padrões de comportamento, armazenando no inconsciente um modelo mental mais inclusivo e de mais respeito às diferenças. Os modelos mentais preconceituosos prejudicam as relações, impedem a equidade de oportunidades, atrasam o nosso desenvolvimento social, limitam a capacidade de evolução e inovação da nossa sociedade.

Vieses inconscientes nas organizações

Reconhecer os vieses inconscientes e trabalhar para desconstruí-los nos ambientes corporativos é uma tarefa importante e necessária para aprendermos a respeitar perspectivas diferentes das nossas e para pensarmos de forma mais ampla sobre o futuro. Essa análise é necessária porque estas perspectivas podem ser fundamentais para a sustentabilidade da sociedade, da economia, dos negócios e das relações.  E para sermos mais inclusivos com grupos da sociedade que muito tempo foram minorizados.

Quando falamos em diversidade nas empresas, ainda vemos um quadro de pouca representatividade nas organizações brasileiras. Pessoas com deficiência, LGBTQIA+, mulheres e pessoas negras, por exemplo, ocupam menos de 20% dos cargos de liderança, segundo estudo do Instituto Ethos em 2016.

Existem muitos impactos que os vieses inconscientes causam nas ações que empreendemos para diversidade e inclusão, especialmente nos processos que envolvem recursos humanos.

Mas por onde começar?

Por nós mesmos. Como dizia Gandhi, seja a mudança que quer ver no mundo!

Busque o autoconhecimento, utilize critérios objetivos de competências em processos seletivos e tome decisões colegiadas. Mas não deixe este conhecimento apenas com você: compartilhe suas ideias e encoraje as pessoas do seu entorno a fazer o mesmo. Acolha o erro como parte do processo e não como um fim em si mesmo, criando ambientes psicologicamente seguros. Isso é importante para criar ambientes mais diversos e inovadores. Além disso, conviva com pessoas diferentes de você para ter acesso à riqueza de realidades ainda não presentes em sua percepção. E lembre-se, praticar o respeito de forma incondicional a todas as pessoas é uma prática diária e necessária para uma sociedade de fato inclusiva.

Quer desenvolver mais esta conversa com a gente? Assista as próximas edições das Conversas Inspiradoras e acompanhe o Simpósio SAE BRASIL da Diversidade no Setor da Mobilidade, para aprofundar o aprendizado nos temas de diversidade e inclusão.

Adriano Bandini – Especialista em Diversidade no Itaú-Unibanco

Daniele Pio, Gerente de Diversidade, Equidade, Inclusão e Atração de Talentos na John Deere

Gabriela Oliveira, Chief Digital Officer na ECC Hub

#PraTodosVerem: card fundo lilás. Ao alto à esquerda frase em branco Observatório da Inclusão, Vieses Inconscientes SAE Mulheres SAE Brasil, embaixo logo da Somar Diversidade. Lado direito 3 bolas vários tamanhos sobrepostas verde, azul marinho e em fundo laranja com as frases Programa Diversidade SAE Brasil promove Conversas Inspiradoras 2021 com logo SAE Brasil 30 anos e SAE Mulheres.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Newsletter

Leia Também

Skip to content